Meditando Pelo Despertar da Amazônia

Como a Força Criadora da
Mente Constrói a Comunidade do Futuro

Carlos Cardoso Aveline


“Pede, e te será dado; busca, e
acharás; bate à porta – e a porta se abrirá.”

(Novo Testamento cristão, Mateus, 7:7)
 

“Tudo o que somos é resultado do que pensamos no
passado. Tudo o que somos se baseia em nossos pensamentos
e é formado por nossos pensamentos. Se alguém fala ou age com
pensamento puro, a felicidade o acompanha assim como sua
própria sombra, que nunca se afasta dele.”

(“O Dhammapada” budista, Capítulo 1, Versículo 2)

 

A visualização a seguir desenvolve a potencialidade superior do ser humano, destrói circuitos fechados de emoções negativas e abre espaço para uma regeneração cultural. Como ação criadora, ela devolve ao cidadão a consciência de que os seus pensamentos criam o futuro, individual e coletivo.

A respeito da lei natural em que a meditação se baseia, cabe levar em conta estas palavras de Helena Blavatsky:

“Havendo uma certa intensidade da vontade, as formas criadas pela mente se tornam subjetivas. Alucinações, elas são chamadas, embora para o seu criador elas sejam tão reais quanto qualquer objeto visível é para qualquer outro. Existindo uma concentração mais intensa e mais inteligente desta vontade, a forma se tornará concreta, visível, objetiva; o homem terá então aprendido o segredo dos segredos; ele se tornou um MÁGICO.” [1]

O exercício de visualização pode ser praticado individual ou coletivamente. É boa ideia fazer com que ele aconteça em uma associação, sindicato ou movimento comunitário. De preferência, deve ser escolhido um local em que haja silêncio e ar puro.[2]

A sua realização regular tem um efeito mais forte do que uma ação apenas eventual. Porém, ele é extremamente benéfico mesmo como um acontecimento isolado. 

Meditando pelo Despertar Da Amazônia

1) Respire calma e profundamente. Deixe de lado preocupações com assuntos pessoais de curto prazo.

2) Pense na dor centenária do povo brasileiro e amazônida. Calcule o sofrimento coletivo no dia de hoje. Observe a sua própria dor. Reflita sobre o fato de que é possível transmutar o sofrimento em sabedoria.

3) Reconheça que o apego à dor não é necessário. Admita que todo obstáculo é fonte de lições. Perceba com calma que a tarefa do ser humano é crescer interiormente, fortalecendo a vontade de fazer e viver o melhor.  

4) Visualize a população da região amazônica inteira tirando lições de cada desafio que enfrenta. Veja a sabedoria e a solidariedade permeando as relações entre todos, e entre os seres humanos e a natureza. Imagine a população a despertar para a força ilimitada da ajuda mútua.

5) Mantenha diante de si, por um instante, a imagem de cada comunidade acordando para a solução fraterna dos seus problemas. Enxergue a Amazônia sul-americana fazendo parte de uma civilização globalmente solidária em que cada nação é profundamente respeitada. A maior riqueza de um povo é a boa vontade combinada ao discernimento. O destino de uma nação está ligado ao destino das suas florestas. Consciente ou inconscientemente, as comunidades tratam a si próprias tal como tratam as suas árvores.     

6) Veja os meios de comunicação social da Amazônia atuando a serviço da vida, buscando e transmitindo sabedoria. Visualize uma espécie de assembleia geral permanente do povo amazônida, cujo tema seja como atuar a cada momento de modo correto, em harmonia com o ambiente aquático e florestal. Enxergue rádio, televisão e jornais da região criando mecanismos de ajuda mútua e de preservação da natureza. Fortaleça seu compromisso pessoal com esta visão.   

7) Visualize por alguns instantes dirigentes políticos sinceros sendo leais ao povo da Amazônia e do Brasil. Imagine a Amazônia e o Brasil como territórios em que reina a ética. Guarde consigo esta imagem revolucionária. Veja a si mesmo como corresponsável pelo despertar coletivo.

Faça com que esta visão elevada permaneça mais forte que os sentimentos antigos e rotineiros.

Deste modo você desenvolve de modo correto o poder da sua vontade, enquanto acelera o surgimento da civilização do futuro.

NOTAS:

[1] Helena P. Blavatsky, em “Isis Unveiled”, Theosophy Co., Los Angeles, Vol. I, p. 62. Veja também a edição brasileira, “Ísis Sem Véu”, Ed. Pensamento, volume I, capítulo II.

[2] O momento da lua nova e o momento da lua cheia parecem ser especialmente adequados para esta atividade.  

000 

Uma versão inicial da meditação acima foi publicada no livro “A Informação Solidária”, de Carlos Cardoso Aveline, Edifurb, Blumenau, SC, 86 pp., 2001, pp. 72-74.

Veja os textos “Meditando Pelo Despertar do Brasil”, “Meditando Pelo Despertar de Portugal”, “A Feliz Cidade do Futuro” e “O Brasil e a Força do Pensamento”. Foram escritos pelo mesmo autor e estão disponíveis em nossos websites associados.

Meditando Pelo Despertar da Amazônia” foi publicado pela primeira vez em janeiro de 2017.

000

Para conhecer um diálogo documentado com a sabedoria de grandes pensadores dos últimos 2500 anos, leia o livro “Conversas na Biblioteca”, de Carlos Cardoso Aveline.

Com 28 capítulos e 170 páginas, a obra foi publicada em 2007 pela editora da Universidade de Blumenau, Edifurb.  

000

Esta entrada foi publicada em Carlos Cardoso Aveline. Adicione o link permanente aos seus favoritos.