Macunaíma e a Ética no Brasil

Surge Gradualmente o Projeto
De um País que Respeita a Si mesmo

Carlos Cardoso Aveline


 

Ao escrever o romance “Macunaíma”, o modernista Mário de Andrade  demonstrou o seu bem intencionado desconhecimento sobre o caráter do povo brasileiro. 

Como abordagem da realidade cultural do nosso país, o  livro ilude mais do que informa.  Já o título e o subtítulo da obra – “Macunaíma, o herói sem nenhum caráter” – revelam o equívoco do autor.  Comecemos pelo título.

Mário de Andrade admite que, para criar o personagem, baseou-se no trabalho do etnógrafo alemão Theodor Koch-Grünberg.  O próprio etnógrafo esclarece a origem da palavra “Macunaíma”: “maku” significa “mau”, “maldoso”, e “ima” quer dizer “grande”.  Traduzido, o nome “Macunaíma” significa  “o grande maldoso”.[1]

O subtítulo da obra é igualmente infeliz. A expressão “herói sem nenhum caráter” não faz sentido, porque o que define um herói é, precisamente, o fato de que ele tem caráter e, por isso, é eticamente responsável.   Um Judas age como eticamente irresponsável e portanto não tem caráter.  Macunaíma, não tendo caráter, não é herói. 

Há nesta obra de Mário de Andrade um  impulso derrotista em relação ao povo brasileiro. Apresentado como “modernista”, o enfoque tenta ver como essencial e duradouro um elemento que é secundário e passageiro: a ignorância espiritual.   Pensar que a obra “Macunaíma” revela aspectos essenciais do brasileiro é não só algo infeliz: é, sobretudo,  não-verdadeiro.

Em um prefácio que Mário de Andrade escreveu para “Macunaíma”, mas que não publicou na época do lançamento do livro, podemos ler:

“O que me interessou por ‘Macunaíma’ foi incontestavelmente a preocupação em que vivo de trabalhar e descobrir o mais que possa a entidade nacional dos brasileiros. Ora depois de pelejar muito verifiquei uma coisa que parece certa: o brasileiro não tem caráter. Pode ser que alguém já tenha falado isso antes de mim porém a minha conclusão é uma novidade para mim porque tirada da minha experiência pessoal. E com a palavra caráter não determino apenas uma realidade moral não, em vez entendo a entidade psíquica permanente, se manifestando por tudo, nos costumes na ação exterior no sentimento na língua na História na andadura tanto no bem como no mal.  O brasileiro não tem caráter porque não possui nem civilização própria nem consciência tradicional.” [2]

Aqui Mário de Andrade confunde um povo que está culturalmente em formação, em seu berço,  com um povo maldoso, um povo “maku-na-íma”. O povo brasileiro, ao contrário,  é evidentemente bom e honesto.  Como todos os povos.

Individual e coletivamente, a ética é inseparável do autocontrole, do autoconhecimento e do autorrespeito.

O Brasil possui uma linhagem de verdadeiros heróis.  Havia heróis entre os indígenas pré-descobrimento, e havia heróis entre os portugueses desbravadores.  Havia heróis entre os líderes da resistência negra, no século 17, e há heróis na fase atual da nossa história, como o seringueiro Chico Mendes. Tiradentes e os outros líderes sociais foram e são heróis,  assim como os que lutaram e lutam contra o escravismo, pela democracia, pela liberdade, pela justiça social e pela ética na política e na administração pública.  

Desinformado sobre as realidades profundas da Evolução da vida, Mário de Andrade evoca a ignorância espiritual  da infância passageira de uma nova nação, como se pudesse definir com isso,  unilateralmente, o caráter do povo. 

Se o povo brasileiro não amadureceu culturalmente tanto quanto gostaríamos, este não é um motivo para catalogarmos o seu caráter como mau, ou como inexistente. O fato constitui, ao contrário,  um desafio positivo. Cada nova geração de brasileiros deve dar a sua contribuição para a formação correta e digna do caráter do nosso povo. Este é um processo necessariamente lento, mas que vem avançando bem há vários séculos. Vale a pena citar alguns poucos exemplos:

* No plano da evolução política e  social, é necessário mencionar – além de Tiradentes – José Bonifácio, o patriarca da independência; Diogo Feijó, o filósofo-estadista que foi Regente do Império;  e  Dom Pedro II, o imperador humanista.  

* No plano cultural, Antônio Vieira, Gonçalves Dias, Castro Alves, Monteiro Lobato, Lima Barreto, Augusto de Lima e  a primeira fase  de Jorge Amado correspondem a outras tantas contribuições.

* Cecília Meirelles trouxe para a cultura  brasileira a influência do pensamento indiano, e a perspectiva de Rabindranath Tagore está presente em sua obra.  Não por acaso Cecília escreveu longamente sobre um dos grandes formadores do bom caráter do povo brasileiro: Tiradentes.

* Mário Quintana trouxe a perspectiva de outra grande cultura milenar, a da China antiga, e a do taoísmo filosófico;  e não por acaso ele traduziu várias obras de Lin Yutang.

* Graciliano Ramos ofereceu uma visão ética do drama do povo brasileiro. Clarice Lispector aprofundou nossa percepção da vida.

* Padre Cícero e Chico Xavier trouxeram influências éticas positivas para a formação do país.  

* Paulo Freire definiu o povo brasileiro como uma comunidade em construção, uma comunidade de aprendizagem, unida pela ajuda mútua e pela colaboração solidária. 

Os exemplos positivos citados acima são, evidentemente, poucos. Temos tido um número quase ilimitado de contribuições eticamente positivas, ao longo do processo de formação do ethos brasileiro. Quase todas anônimas. É nosso o exemplo valioso de gerações de lutadores e militantes sociais desde o período colonial. Milhões de pessoas honestas e de bom caráter agem corretamente todos os dias, sem chamar atenção para suas boas ações. Estes são os verdadeiros heróis brasileiros.

Sérgio Buarque de Holanda constrói uma discussão lúcida sobre a formação histórica da alma do Brasil e define corretamente o brasileiro como “o homem cordial”. Buarque de Holanda analisa com franqueza as dificuldades e desafios da formação histórica do caráter do povo brasileiro. Mas ele deixa aberta a porta para a evolução positiva, e também indica boa parte do caminho para ela. Ele menciona uma chave essencial para o futuro do país: a prática da ética humanitária impessoal. [3]  

Só a ética impessoal e humanitária pode opor-se vitoriosamente ao casuísmo personalista destituído de princípios, e assim abrir caminho para a maturidade de um povo e de uma cultura.  

Vale a pena pensar com amor e respeito na boa  alma do grande povo brasileiro. Um povo jovem, como escreveu Darcy Ribeiro; mas um povo ético e inspirado pela sabedoria universal.

NOTAS:

[1] “Macunaíma”, Mário de Andrade, Livraria Garnier, BH-RJ, 176 pp., 2001.

[2] “Macunaíma”, Mário de Andrade, obra citada, p. 169.

[3] “Raízes do Brasil”, Sérgio Buarque de Holanda, Companhia das Letras, SP, 2006, 448 pp., ver especialmente pp. 205 e 285,  sobre o caráter impessoal do ideal humanitário e democrático.  

000

Sobre o mistério do despertar individual para a sabedoria do universo, leia a edição luso-brasileira de “Luz no Caminho”, de M. C.

Com tradução, prólogo e notas de Carlos Cardoso Aveline, a obra tem sete capítulos, 85 páginas, e foi publicada em 2014 por “The Aquarian Theosophist”.

000

Esta entrada foi publicada em Carlos Cardoso Aveline. Adicione o link permanente aos seus favoritos.