A Arte de Arrepender-se

Ou a Capacidade de
Renunciar às Fontes do Sofrimento

Carlos Cardoso Aveline


Arrepender-se significa ser capaz de mudar a direção das nossas ações

 

Não é muito frequente encontrar um texto sobre a utilidade prática do ato de arrepender-se. Até mesmo referências ao assunto são relativamente raras. [1]

O arrependimento pode ser definido como a capacidade de identificar, reconhecer, observar, extrair lições e abandonar – às vezes com profundo desgosto – os nossos erros. Esta é uma prática de grande importância em teosofia, e ela exige um certo grau de coragem.

O peregrino deve rejeitar prontamente os seus próprios erros, tão logo eles sejam identificados, para que o verdadeiro aprendizado e o progresso sejam possíveis.

O arrependimento nada tem a ver com sentimentos negativos a respeito de si mesmo. Na verdade, constitui o seu oposto. É necessário possuir autoconfiança e confiança na vida para que haja uma capacidade de olhar de frente para as fontes do sofrimento pessoal – e renunciar a elas.   

O processo do arrependimento pertence ao mundo da ação. Ele inclui a capacidade de mudar para melhor a direção da sua existência pessoal e de compensar, pacientemente, a força acumulada dos erros passados. 

Cada ser humano está sempre rodeado de oportunidades para aprender e renovar a sua vida, e isso inclui o caminho da sabedoria.

Um mestre dos Himalaias escreveu:

“Todo membro [ do movimento teosófico ] que se arrependa verdadeira e sinceramente deve ser aceito de novo.” [2]

A prática da renúncia aos erros pode ser posta em ação diariamente. Tanto a tradição pitagórica como os ensinamentos teosóficos convidam seus estudantes a fazer um exame diário das suas ações, durante o qual eles podem renovar a decisão de abandonar ações erradas e de expandir as ações corretas, perseverando no caminho da verdade.  

A Arte de Pedir Desculpas

Resultado do arrependimento correto, o ato de pedir desculpas nos liberta do erro cometido. Não nos livra das consequências da ação infeliz; mas nos permite tirar lições e evitar a repetição.

Quando falhamos em relação a alguém, devemos pedir desculpas à pessoa com quem fomos injustos, e também devemos pedir desculpas, de algum modo, à nossa própria consciência interior.

Cabe rejeitar honestamente o erro. Isso faz bem à pessoa injustiçada, e faz bem à nossa alma. Não importa se a pessoa com quem fomos injustos também falhou: em teosofia um erro não justifica outro. A ação correta é incondicional. A ética não é uma troca entre comerciantes.

Cabe pedir desculpas silenciosamente, em nosso coração, às pessoas em relação a quem erramos. A correção interior do erro é válida mesmo na ausência das pessoas injustiçadas, e em qualquer ponto da linha do tempo: é eficaz inclusive muitos anos depois da injustiça acontecer. Nunca é tarde para rejeitar um erro e aprender a lição. Sempre é tempo para renascer.

NOTAS:

[1] Veja, no entanto, o artigo “Learning From the Feeling of Remorse” (“Aprendendo com o Sentimento de Remorso”), de Carlos Cardoso Aveline, que pode ser encontrado em  nossos websites associados.

[2] “Cartas dos Mahatmas Para A. P. Sinnett”,  Ed. Teosófica, Brasília, 2001, edição em dois volumes. Ver volume I, Carta 40, p. 187.

000

Uma versão do texto acima foi publicada em inglês sob o título “The Art of Repenting” e está disponível em nossos websites associados.   

000

Para conhecer um diálogo documentado com a sabedoria de grandes pensadores dos últimos 2500 anos, leia o livro “Conversas na Biblioteca”, de Carlos Cardoso Aveline.

Com 28 capítulos e 170 páginas, a obra foi publicada em 2007 pela editora da Universidade de Blumenau, Edifurb.  

000

Esta entrada foi publicada em Carlos Cardoso Aveline. Adicione o link permanente aos seus favoritos.