Construindo um Brasil Mais Sábio  

O Otimismo Clássico de
Affonso Celso Antecipa o Futuro

Carlos Cardoso Aveline

 

“Na base de toda corrupção – subornos, corrupção
pública, todo tipo de demagogia (…) – estão uma
cegueira espiritual e uma ausência de valor espiritual
do próprio indivíduo. (…) É por isso que um regime
político incapaz de alimentar no povo uma percepção
do seu próprio valor está condenado a desintegrar-se,
finalmente, devido ao triunfo do egoísmo privado sobre
o interesse público, e da vulgaridade sobre o espírito.”

(Ivan A. Il’in) [1]

 

O escritor brasileiro Affonso Celso criou junto com Augusto de Lima uma tendência literária chamada “filosofismo poético”.  Celso é mais conhecido do público amplo pelo seu livro “Por Que Me Ufano do Meu País”, um clássico publicado pela primeira vez em 1900.

A obra é um canto em prosa às belezas e às vantagens do “país do futuro”, o “gigante adormecido em berço esplêndido”. [2]

No capítulo 22, Affonso Celso descreve dez traços do caráter nacional brasileiro:

1) Sentimento de independência.
2) Hospitalidade.
3) Afeição à  ordem, à paz, ao melhoramento.
4) Paciência e resignação.
5) Doçura, generosidade, desinteresse.
6) Escrúpulo no cumprimento das obrigações assumidas.
7) Espírito extremo de caridade.
8) Abertura mental que degenera, às vezes, em imitação do estrangeiro.
9) Tolerância; ausência de preconceitos de raça, cor, religião.
10) Honradez no desempenho de funções públicas ou particulares.

É sobretudo neste último ponto que o visionário Affonso Celso se demora mais.

Pode-se debater se ele estava enxergando o momento histórico dos anos 1880-1900, ou se ele via algum ponto mais avançado no tempo, provavelmente no século 21.  

Comparado com o  momento atual do país,  o texto talvez desperte  saudades de um passado ideal.  Mas as palavras de Affonso Celso podem ser resgatadas como uma profecia precisa e bem formulada. 

Ele  escreveu:

“A estatística dos crimes depõe muito em favor dos nossos costumes. Viaja-se pelo sertão, sem armas, com plena segurança, topando sempre gente simples, honesta, serviçal. Os homens de Estado costumam deixar o poder mais pobres do que quando nele entram. Magistrados subalternos, insuficientemente remunerados, sustentam terríveis  lutas obscuras, em prol da justiça, contra potentados locais. Casos de venalidade enumeram-se raríssimos, geralmente profligados.  A República apoderou-se de surpresa dos arquivos do Império: nada encontrou que o pudesse desabonar. Por ocasião desta revolução, senadores ficaram tão pobres que o novo regime lhes ofereceu pensões. Ao Imperador, que  governara  cinquenta anos, assegurou a Constituição Republicana  meios de subsistência de que  ele precisava, mas não aceitou.  Quase todos os homens políticos brasileiros legam a miséria às suas famílias. Qual o que já se locupletou à custa do dinheiro público?”

Esta última pergunta parece mais atual do que nunca.

O tempo não passa em vão, e o povo brasileiro está a ganhar experiência  histórica com tudo o que lhe acontece.  Affonso Celso descreveu em linhas gerais o potencial superior e sagrado não só do Brasil, mas de outros povos também.   

NOTAS:

[1] Do livro “The Essence of Legal Consciousness”, de Ivan A. Il’in: Wildy, Simmonds & Hill Publishing, 2014, Reino Unido, 391 pp., ver p. 266.

[2] “Por Que Me Ufano do Meu País”, Affonso Celso, Editora Expressão e Cultura, Rio de Janeiro, 2001, edição de bolso, 238 pp., ver pp. 118-119.

000

Uma versão anterior do artigo acima foi publicada de modo anônimo na edição de dezembro de 2007  de “O Teosofista”, sob o título “A Honestidade dos Políticos Brasileiros”. 

000

Veja aqui um vídeo de um minuto, produzido pelos nossos websites associados: 

000

Esta entrada foi publicada em Carlos Cardoso Aveline. Adicione o link permanente aos seus favoritos.