Filosofia Esotérica Para Crianças

Acordando Mais Cedo Para a Sabedoria Oculta  

Carlos Cardoso Aveline

filosofia-esoterica-para-criancas_-imagem-principal-com-mold
Personagens de Walt Disney refletem diversos estados de consciência e aspectos da alma humana


É natural que pais, mães, tios, avós e professores queiram transmitir às crianças os principais conceitos da sabedoria universal. Com frequência, tentam estimular a prática de meditação infantil. Como se pode agir corretamente nesta questão?

A milenar pedagogia usada em filosofia esotérica é semelhante ao método de ensino criado por Paulo Freire. A autonomia do aprendiz é em todos os casos fundamental. Nenhuma crença cega leva a um despertar. A aprendizagem mais valiosa não ocorre de fora para dentro, mas de dentro para fora, e a curiosidade da criança é o motor decisivo. A fase das perguntas, em que o pequeno se coloca no mundo como basicamente um perguntador, não é só um momento a ser respeitado. Constitui caminho decisivo para que a criança pense por si e comece a construir uma filosofia e uma visão própria de mundo.

Ao perguntarem, as crianças são instintivamente socráticas. Em filosofia e teosofia, as perguntas são com frequência mais importantes que as respostas. As respostas expressam o conhecimento disponível naquela instante: o ato de perguntar-se deve ser constante como atividade de longo prazo. Graças às perguntas infantis, os adultos têm a chance de pesquisar e aprender sobre a vida através do olhar puro de uma alma imortal que observa o mundo pela primeira vez nesta encarnação, e quer saber de que modo a vida funciona.

Carma e Reencarnação

Fatos básicos como a lei do carma e a lei da reencarnação podem, e devem, ser compartilhados com as crianças. Isso deve ser feito sem forçar e obedecendo ao grau de curiosidade e afinidade real mostrado por elas. Os pequenos devem ter a chance de ser crianças. Os adultos devem preservar dentro de si mesmos a sua porção infantil, enquanto também expandem a sua autorresponsabilidade de adultos, e são, de certo modo, anciãos.  

Crianças não devem praticar meditação imóvel durante mais do que dois minutos. A meditação deve estar vinculada ao exercício afirmativo da vontade, de modo que não haja passividade. A passividade, em meditação, assim como “ver coisas” de olhos fechados, produz efeitos nocivos para todas as idades, e especialmente na infância.  

Durante os primeiros anos da vida, todos recordam inconscientemente etapas anteriores da sua alma imortal. Este processo de “recordação implícita de vidas prévias” vai em geral até a faixa de sete a nove anos. Nesta primeira etapa da vida, a alma está no “ciclo da materialização crescente”, que é correto e deve ser preservado.

Embora os conceitos teosóficos possam ser compartilhados nas conversas e no convívio do dia-a-dia, o meio mais importante de ensinar teosofia aos filhos, sobrinhos, netos e alunos é o exemplo pessoal de uma vida correta e ética, voltada para o que é universal, assim como o exemplo do convívio com livros teosóficos e ideias e ideais nobres.

Não faltam, na vida familiar, oportunidades para defender a justiça impessoal e exemplificar uma vida sábia.

Quando o teosofista contraria membros da sua família por dedicar-se a um ideal elevado – fato bastante frequente -, ele está dando um exemplo que mais tarde poderá ser compreendido, e uma lição a ser valorizada talvez só décadas depois, mas que nem por isso é menos válida. 

Cabe estimular nas crianças a coragem de defender o que é correto e combater as inúmeras formas de desprezo pela vida. Deve-se desestimular a “esperteza” oportunista. Isso tudo será possível se os próprios pais, avós, tios, professores, tiverem mergulhado de fato na vivência do ensinamento teosófico original. Versões simples das leis de carma e reencarnação podem ser partilhadas desde cedo, respeitando-se a capacidade real de assimilação da criança, que é mais vivencial do que teórica.

A Sabedoria em Patópolis

Vejamos algumas ideias úteis a desenvolver em conversas com os pequenos: 

1) A fraternidade universal é uma lei. O fratricídio pode existir mas não é necessário. Os irmãos desse planeta já podem deixar de matar uns aos outros através de guerras, injustiça social, ou destruição da natureza.

2) Os dias de 24 horas são como pequenas reencarnações. O sono é o descanso, e o despertar de cada manhã é o início de uma nova vida. Estamos todos jovens ao despertar, e velhos e cansados antes de dormir.

3) A lei do Carma e da Justiça, e a relação de causa e efeito, dirigem e regulam todos os aspectos do universo. Esta lei fundamental pode ser observada seja qual for a idade do cidadão. A ideia de colocar a mão numa panela com água fervendo é um exemplo facilmente compreensível de “carma de maturação imediata”.

O plantio de uma árvore ilustra o carma de maturação mais lenta. A ação tola é de curto prazo. A ação sábia visa o longo prazo. Mas também há ações sábias de curto prazo.  

4) A jornada do herói é a aventura da alma imortal através da reencarnação. As crianças sabem disso subconscientemente, ao identificar-se com os heróis e super-heróis. Alguns super-heróis são popularizações do conceito de Adeptos e Iniciados. Também são personificações da alma imortal.

Os personagens do mundo criado por Walt Disney refletem diversos estados de consciência e aspectos da alma humana. Mickey, o extraordinário rato da cidade de Patópolis, personifica a ética e o equilíbrio. Pateta expressa a bondade natural e a confiança na vida daquele que não se preocupa em ser mais “esperto” que os outros. O Superpateta, por sua vez, simboliza o eu superior e o potencial ilimitado de uma pessoa de boa vontade. O tradicional furo na sola do seu sapato mostra desapego por bens materiais ou aparência externa, e o seu compromisso com uma vida simples. Por outro lado, a visão estreita dos que sofrem da doença da cobiça é exemplificada pelos irmãos Metralha.

filosofia-esoterica-para-criancas_aux-1-com-mold

Reflexões filosóficas, psicológicas, éticas e teosóficas podem ser feitas com certa facilidade a partir das histórias de Mickey. A convivência do casal Mickey-Minnie é fonte de lições. Pateta e Mickey sacrificam-se sem pensar duas vezes pelo bem comum, e é a intenção que faz a diferença. Já o universo espiritual do pato Donald, de Peninha e Tio Patinhas reflete almas ainda relativamente imersas nas preocupações materiais da vida, que podem idolatrar o dinheiro ou a indolência, mas em última instância já são guiadas por um sentido básico de justiça. 

A Base Emocional

A imaginação saudável é importante, e a ação correta é essencial. Na infância, a prática moderada de artes marciais orientais ajuda na construção do autocontrole e do autossilenciamento, especialmente quando o professor tem uma percepção clara da filosofia presente neste tipo de esporte. No entanto, o contato com a arte de lutar fisicamente deve ser moderado, para não eclipsar outros aspectos da vida.   

Uma base ética adequada permitirá que ocorra naturalmente, em algum momento da vida adulta, um acesso integrado ao esquema conceitual da teosofia. Porém, quando o conhecimento intelectual da filosofia esotérica é associado à busca de vantagens pessoais, temos a receita para o desastre. Na ausência de uma vontade nobre, é melhor não aprofundar o estudo teosófico. Vale sempre a pena dar ênfase à ligação entre o ideal abstrato e o esforço prático, sem exigir perfeição, mas exaltando o esforço feito na direção correta. As vivências contemplativas e superiores dependem de um “fio terra”: elas devem encontrar expressão na vida concreta.   

filosofia-esoterica-para-criancas_aux2-com-mold

A vida psicologicamente adulta começa em geral entre 14 e 16 anos de idade. É a partir de então que se pode trabalhar com mais força no plano intelectual. Vale, no entanto, o princípio segundo o qual cada alma tem um tempo e um ritmo próprios para despertar, e eles devem ser respeitados. Em todas as etapas da vida, a meta de uma educação teosófica é ensinar a pensar por si mesmo, ouvir o seu próprio coração, perceber o conjunto da vida, e ser autorresponsável.

000

Uma versão inicial do artigo acima foi publicada, sem indicação de autor, na edição de maio de 2012 de “O Teosofista”.

000

O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 

hpb

Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:

https://br.groups.yahoo.com/neo/groups/SerAtento/info .

000

Esta entrada foi publicada em Carlos Cardoso Aveline. Adicione o link permanente aos seus favoritos.