Compreendendo o Automatismo

A Consciência Instintiva é Apenas Um
Instrumento Básico a Serviço da Vida Espiritual

Carlos Cardoso Aveline

compreendendo
 

A vida é feita de interação, e o ser humano age de um modo que é em grande parte instintivo. Suas ações espontâneas têm bases subconscientes. Expressam posturas adquiridas ao longo do tempo e consolidadas pela repetição.

Nossas atitudes automáticas têm diversas origens. Algumas delas são heranças de vidas anteriores ou resultam da sua carga genética. Em muitos casos, decorrem da formação emocional na infância: e também resultam do treinamento e da educação. 

Durante a infância, ocorre uma recordação subconsciente do carma de vidas passadas. Nos primeiros anos de vida, a experiência de encarnações anteriores passa por uma recapitulação inconsciente e uma atualização. O modo espontâneo como a criança interage com as circunstâncias resulta do encontro do carma remoto com o carma imediato, do cenário inicial da encarnação.

Disso surge o caráter.

Todos os aspectos da vida humana envolvem repetição, hábito e instinto. Eles estão carmicamente interligados: atuam em conjunto. Desde a etapa intrauterina, a vida inclui um jogo de reações rápidas em circunstâncias sempre mutáveis.

À medida que o indivíduo se fortalece, ele constrói atitudes repetitivas, com as quais se identifica e nas quais confia. Ele passa a dispor de um pequeno acervo de hábitos e posturas que usa de modo natural em diferentes ocasiões, e nas quais se refugia. 

Uma série de atitudes e ações típicas expressam o seu “modo afetivo e simpático” de funcionar.  Outras diversas modalidades de autoexpressão correspondem ao “modo defensivo-ofensivo” de perceber a vida e interagir com ela. Há também o modo expansivo-amigável, o modo abstrato-reflexivo, e assim sucessivamente.  

O indivíduo adota “gatilhos” e mecanismos específicos pelos quais ele vai de um estado de espírito para outro. Códigos internos subconscientes regulam, na consciência individual, a mudança de estado mental. Fazem a transição, por exemplo, desde uma atitude solidária e afetiva para uma postura defensiva-ofensiva. As mudanças de estado emocional podem ser rápidas ou lentas, harmoniosas ou não.

Na maior parte dos casos, as nossas reações diante do mundo externo são automáticas ou semiautomáticas.

Muitos não se atrevem a ser lentos nas suas respostas à vida. Um dos motivos para isso está na “necessidade defensiva” de parecer inteligente aos olhos dos outros.

De acordo com este jogo de interações, é preciso ter respostas instantâneas para tudo.  É assim que surgem as pessoas superficiais. Elas constroem um arsenal de respostas automáticas e concentram sua mente no nível instintivo e defensivo (ou ofensivo) de interação, suprimindo as respostas mais lentas e mais profundas. A vontade de “parecer esperto” – e às vezes de “dominar os outros” -, impede a opção por ações verdadeiramente inteligentes.[1]

Deste modo o tempo pode passar em vão. A verdade, porém, é que a vida biológica e instintiva existe como base e como instrumento da vida do espírito. É para isso que ela existe. É um desperdício suprimir a vida do espírito para obedecer ao jogo dos automatismos.

A teosofia valoriza a vida instintiva. A ação automática é indispensável para manter o equilíbrio quando andamos de bicicleta. É necessária quando dirigimos um carro ou digitamos um texto. Treinamos o nosso corpo físico para que ele trabalhe para nós sem necessidade de pensar. Ensinamos isso às nossas crianças, e a atitude está correta. O corpo físico é o nosso melhor amigo. Os aspectos externos da vida instintiva, quando bem dirigidos, são saudáveis. Eles são a substância dos bons hábitos.

Outra coisa, muito diferente, é agir de modo cego nas questões emocionais, na vida profissional e no relacionamento com os colegas e familiares, e no rumo que escolhemos (ou deixamos de escolher) para a nossa vida. Em todos os momentos e aspectos sérios da existência, devemos pensar antes de agir, e avaliar bem os vários lados da realidade, para só depois tomar uma decisão.

Adulto é aquele que deixa de lado a relativa irresponsabilidade da infância para enfrentar voluntariamente o carma que resulta de suas vidas passadas, assim como o carma herdado da sua civilização, de seu país, da cidade em que vive, e de sua família. A tarefa é criar carma novo e melhor, conscientemente. Cabe transformar o resultado das vidas anteriores e plantar por decisão própria as sementes da sabedoria para a velhice e as vidas futuras.

Várias formas de psicologia ética resgatam o material emocional da infância, trabalham com ele, e ao fazer isso redirecionam o carma de vidas passadas. O autoconhecimento obtido através do estudo de filosofia esotérica autêntica permite ao cidadão fazer o mesmo.

O enfoque vivencial da teosofia clássica faz com que o buscador da verdade tenha diante de si, a cada momento, vivas, dinâmicas, as mais diferentes fases da sua existência. Sua infância o acompanha a cada passo. Quanto mais ele avança no caminho evolutivo, mais ele se parece ao mesmo tempo com uma criança, um adulto e um velho. Ele se identifica com as diferentes faixas etárias. O passado para ele é fonte de lições: o futuro consiste de sementes. Ele procura plantar da maneira mais correta possível.  

Desenvolvendo o autoconhecimento e o autocontrole, o peregrino adota uma nova atitude. A mudança interior não surge subitamente devido à leitura de algum texto. Emerge pouco a pouco, como resultado de ondas sucessivas de reflexão sobre a vida. É alimentada por exercícios no início muito modestos de fortalecimento da vontade espiritual.

A meta do teosofista é renunciar aos erros, plantar o bem, e mudar a si mesmo na direção do ideal de autoaperfeiçoamento humano. 

Gradualmente, as ações automáticas se tornam mais coerentes. As reações ao mundo externo perdem intensidade imediata e ganham força interior. À medida que suas ações espontâneas passam a ser instrumentos eficazes de expressão da alma, a ponte para a consciência do eu superior se expande vigorosamente, e o indivíduo percebe que está em uma etapa menos preliminar do Caminho.

NOTA:

[1] Veja o artigo “Um Elogio aos Idiotas”, de Carlos Cardoso Aveline, que está disponível em nossos websites.

000

Uma versão inicial do texto acima foi publicada de modo anônimo na edição de fevereiro de 2015 de “O Teosofista”, sob o título de “A Consciência do Automatismo” (pp. 9-10).

000

Sobre o mistério do despertar individual para a sabedoria do universo, leia a edição luso-brasileira de “Luz no Caminho”, de M. C.

luz

Com tradução, prólogo e notas de Carlos Cardoso Aveline, a obra tem sete capítulos, 85 páginas, e foi publicada em 2014 por “The Aquarian Theosophist”.

000

Esta entrada foi publicada em Carlos Cardoso Aveline. Adicione o link permanente aos seus favoritos.