Como Diria Blavatsky

Música Popular Examina a Reencarnação
E a Redescoberta da Missão da Alma Imortal

Jorge Vercillo

vercillo
Um retrato de Helena Blavatsky, e a capa do CD de Vercillo “Como Diria Blavatsky”, de 2011


000000000000000000000000000000000000000

Nota Editorial:

Reproduzimos aqui a letra
da música “Como Diria Blavatsky”.
A canção de Vercillo exemplifica o fato de que a
música e a poesia são instrumentos de expressão da
sabedoria universal. “Como Diria Blavatsky” examina
o processo de reencarnação da alma cuja meta é cumprir
uma missão altruísta. Ao nascer, perde-se a visão da tarefa
elevada. É mais tarde, quando nos deparamos com a nossa
fonte de inspiração superior, que resgatamos a sabedoria
eterna e lembramos “de um tempo em que entendíamos
que somos seres imortais
”. A canção conclui com otimismo,
lembrando que podemos ter confiança: “Temos tempo pra tudo”. 

(Carlos Cardoso Aveline)

0000000000000000000000000000000000000000000000000000

 

Não sei olhar pra mim 
Sem ser no espelho 
Talvez por que não queira descobrir 
De onde vim, quem sou 
Mas ao me deparar contigo, 
Eu lembro de um tempo 

De um tempo em que os humanos 
Não escravizavam os animais 
De um tempo em que entendíamos 
Que somos seres imortais 

Do outro lado da Galáxia 
Era você o meu mentor 
Brincando, assim me preparava 
Pro ouro e para a dor dessa missão 
Que eu mesmo escolhi 

E antes de eu “descer” me avisou: 

“….– Você não vai saber por quê está ali 
– Você não vai saber lidar 
Com seu poder 
– Nem mesmo vai lembrar quem é 
Nem de onde vem….” 

Mas hoje, de algo em seu olhar 
Eu me encontrei 
Você me faz lembrar que somos Deuses 
Caídos na terceira dimensão 

Foi nossa escolha então 
E porque não dizer que temos tempo 
Pra Tudo

Pra Tudo
Pra Tudo.

000

 
000

Sobre o mistério do despertar individual para a sabedoria do universo, leia a edição luso-brasileira de “Luz no Caminho”, de M. C.

 

luz

Com tradução, prólogo e notas de Carlos Cardoso Aveline, a obra tem sete capítulos, 85 páginas, e foi publicada em 2014 por “The Aquarian Theosophist”.

000

Esta entrada foi publicada em Jorge Vercillo. Adicione o link permanente aos seus favoritos.